Daniel Kahneman: 6 Vieses e Heurísticas que os Investidores Devem Saber

Daniel Kahneman é professor de psicologia comportamental e cognitiva em Princeton, ganhador do Prêmio Nobel de Economia 2002, e autor do livro best seller sobre tendências cognitivas e heurísticas:  Rápido e devagar: Duas Formas de Pensar.

Vamos listar aqui 6 conceitos cognitivos que afetam tanto a nossa vida cotidiana quanto nosso sucesso de investimento segundo Daniel Kahneman:

CONCEITO #1 – SUBSTITUIÇÃO DE ATRIBUTO

A substituição de atributos ocorre quando um indivíduo tem de fazer um julgamento (de um atributo de destino) que é computacionalmente complexo e substitui um atributo heurístico mais facilmente calculado.

Faça a alguém uma pergunta complicada, como: Qual é a probabilidade de um evento inesperado acontecer? E eles não podem responder porque é muito difícil. Mas há perguntas mais fáceis que estão relacionadas com o que eles podem responder. Tais como: Este é um evento surpreendente? Isso é algo que as pessoas sabem imediatamente. É um resultado típico desse tipo de mecanismo.

Então, o que acontece é que as pessoas respondem perguntas fáceis que usam para responder à pergunta difícil, e eles acham que responderam a pergunta difícil. Mas na verdade eles não têm ideia que responderam a mais fácil.

Daniel Kahneman chama de substituição de atributo, substituir uma pergunta ou resposta por outra.

CONCEITO #2 – DISPONIBILIDADE

A heurística de disponibilidade é um atalho mental que se baseia em exemplos imediatos que chegam à mente de uma determinada pessoa ao avaliar um tópico, conceito, método ou decisão específica.

As pessoas realmente não estão cientes de informações que eles não têm. A ideia é que pegue qualquer informação que tenha e faça a melhor história possível com essa informação. E as informações que não tem achamos desnecessárias.

Eu tenho um exemplo clássico: Eu lhe falo sobre um líder nacional e que ele é inteligente e firme. Agora você tem uma impressão que ele seja um bom líder ou um mau líder? Certamente responderá um bom líder. Mas a terceira palavra que eu estava prestes a dizer é “corrupto”.

A questão é que não esperamos por informações que não temos. Nós formamos uma impressão com a informação que temos. E isso é “O que você vê é tudo que existe” (Wysiati).

CONCEITO #3 – VIÉS DA ANCORAGEM

A ancoragem  descreve a tendência humana comum de confiar demais na primeira informação recebida (a “âncora”) ao tomar decisões.

Eu vou te dar um exemplo. Em uma negociação, muitas pessoas pensam ter uma vantagem em ser o segundo. Mas na verdade a vantagem está indo em primeiro lugar. E a razão está em algo sobre o modo como a mente funciona. A mente tenta fazer sentido de tudo o que colocamos diante dela.

Portanto, essa é uma tendência embutida que temos de tentar fazer sentido de tudo o que encontramos, isso é um mecanismo de ancoragem.

CONCEITO #4 – AVERSÃO À PERDA

A aversão  à perda refere-se à tendência das pessoas de preferirem evitar perdas a adquirir ganhos equivalentes: é pior perder a jaqueta do que encontrá-la. Alguns estudos sugerem que as perdas são duas vezes mais poderosas, psicologicamente, do que os ganhos.

Quando olhamos muito frequentemente para nossos investimentos, somos tentado a fazer mudanças. É onde os investidores individuais perdem o dinheiro, é quando fazem mudanças em sua alocação de ativos.

Praticamente em média, sempre que um investidor faz um movimento, é provável que perca dinheiro. Porque há profissionais do outro lado apostando contra o tipo de movimentos que os investidores individuais fazem.

CONCEITO #5 – ENQUADRAMENTO

Enquadramento refere-se ao contexto em que uma decisão é tomada, ou o contexto em que uma decisão é colocada, a fim de influenciar essa decisão.

Assim são as pessoas excessivamente focadas no resultado em detrimento do processo.

“O que eles são, chamamos isso de “enquadramento estreito”. Eles vêem a situação de forma restrita. E isso é verdade em todos os domínios. Assim, por exemplo, dizemos que as pessoas são míopes – que têm um horizonte de tempo estreito. Para ser mais racional, olhamos e pensamos mais vezes, e então tomamos melhores decisões.

CONCEITO #6 – TENDÊNCIA À RETORSPECTIVA

Uma vez que você tenha aceitado uma teoria, é extraordinariamente difícil perceber suas falhas. O viés de retrospectiva é a inclinação, após um evento ter ocorrido, de ver o evento como sendo previsível, apesar de ter havido pouca ou nenhuma base objetiva para predizer isso.

Eu vou te dar um exemplo: existem tem duas equipes que estão prestes a jogar futebol. E as duas equipes estão equilibradas. Então um deles esmaga completamente o outro. Agora, depois de ter visto isso, eles não são igualmente fortes. Você percebe um deles é muito mais forte do que o outro e que a percepção dá-lhe a sensação de que isso deve ter sido visível, que um deles era muito mais forte do que o outro.

A retrospectiva nos permite manter uma visão incoerente do mundo, cega-nos às surpresas, nos impede de aprender o que é certo. Faz com que aprendamos a coisa errada, isto é, sempre que nos surpreendemos por algo, mesmo que o façamos.

Não é que minha previsão esteja errada. É que a previsão em geral é quase impossível de estar certa.

HERÍSTICAS DE DANIEL KAHNEMAN

rapido e devagar daniel kahneman

Há definitivamente muitos paralelos entre a pesquisa de Daniel Kahneman e a filosofia de investimento de Warren Buffett, como:

  • Não seja muito ativo;
  • Faça suas decisões com uma perspectiva de longo prazo;
  • Admita seus erros;
  • Não tente prever o que é imprevisível;
  • Esforce-se para tornar-se o mais racional possível.

CLIQUE AQUI e saiba mais sobre Kahneman.


Gostou do nosso artigo? Seja um membro Financials cadastrando seu e-mail ao lado e receba nosso conteúdo exclusivo!


CLIQUE no link abaixo e COMPARTILHE o conteúdo Financials nas redes sociais! Ajude outros investidores a descobrir seus Vieses e Heurísticas das Finanças Comportamentais!

Flavio Moura

Consultor Financeiro