Investir em ações no longo prazo vale a pena? Veja o resultado de R$ 100 por mês em 30 anos

Você já perguntou se é mais seguro investir R$100,00 no mercado de ações ou colocar R$100,00 em uma conta de poupança? A maioria das pessoas escolheria uma conta poupança. Isso faz sentido no curto prazo: as ações podem perder valor, mas a Fundo Garantido de Crédito (FGC) garante contas de poupança. No entanto, investir em ações no longo prazo é exatamente o oposto. É muito mais arriscado continuar a guardando seu dinheiro em conta poupança ao invés de investir.

Esta é uma situação em que a racionalidade a curto prazo não equivale a racionalidade a longo prazo. Os R$100,00 colocados em uma conta de poupança ganharão uma taxa de juros muito baixa e ao longo do tempo, provavelmente perderá até mesmo para a inflação.

Uma perda real no seu poder de compra é quase inevitável. Os R$100,00 investidos no mercado de ações podem ter dias ruins, mas a lição da história é que as ações superaram praticamente todos os demais ativos ao longo de várias décadas.

Calculando a Rentabilidade

As contribuições mensais realmente começam a ter sentido quando você entende o conceito de juros compostos. (Saiba mais no curso para investidores iniciantes). Os juros compostos funcionam como uma bola de neve rolando para baixo. Começa pequena e lenta no início, mas pega tamanho e impulso à medida que o tempo passa.

Os dois elementos chave dos juros compostos são o reinvestimento dos ganhos e o tempo. Por exemplo, as ações geram dividendos que podem ser re-investidos, e ao longo do tempo isso atua como uma fonte auto alimentadora de crescimento financeiro. No seu núcleo, o investimento composto é tudo sobre deixar seu dinheiro gerar mais dinheiro, o que acaba gerando ainda mais renda no caminho.

Por exemplo, suponha que um indivíduo de 30 anos tenha investido R$5.000,00 em ações que ganhem 8% ao ano em dividendos, um pouco abaixo das médias históricas. No final do primeiro ano, o portfólio do investidor ganhou R$400,00 (R$5.000 x 1.08).

Se o investidor reinvestir os dividendos, o mesmo crescimento de 8% renderá R$432,00 no segundo ano (R$5.400 x 1.08). No terceiro ano gerará R$466,56, no quarto ano gera R$503,88 e assim por diante. Aos 35 anos, a carteira reinvestida vale R$7.346,64, tudo sem contribuições adicionais do investidor.

Siga este padrão por mais 25 anos, e o investimento atinge R$50.313,28. Isso representa mais do que um aumento de 10 vezes, apesar da falta de contribuições adicionais.

Investir R$100,00 por mês: um exemplo

Agora suponha que o mesmo investidor de 30 anos encontre uma maneira de adicionar R$100,00 por mês. Ele contribui com R$100,00 extra para sua carteira e continua reinvestindo seus dividendos. Seu investimento ainda ganha 8% ao ano.

Após um período de 30 anos, graças aos juros compostos e a uma pequena contribuição mensal, seu portfólio crescerá para R$186.253,14 (em comparação com R$50.313,28 sem as contribuições mensais). Enquanto R$186.253,14 não é um valor suficiente para se aposentar, especialmente após 30 anos de inflação, lembre-se que isso é apenas com R$100,00 por mês em contribuições com simulação abaixo das médias históricas.

Agora suponha que o rentabilidade anual seja de 9%, o que está mais próximo das médias históricas por um período de 30 anos. Com um capital de R$5.000 e contribuições mensais de R$100,00 o portfólio cresce para R$229.907,44. Se o investidor puder economizar R$200,00 por mês para contribuições, o valor futuro de sua carteira é de R$ 393.476,48.

Por que investir em ações?

As ações (ou fundos de investimentos em ações) é a melhor opção de investimento para aqueles que se aposentarão daqui décadas. As ações são mais propensas a perder valor no curto prazo do que títulos, certificados de depósito (CDB) ou até mesmo imóveis, mas provaram ser um melhor valor de longo prazo que qualquer alternativa comum.

Isto é especialmente verdadeiro em ambientes de baixa taxa de juros (não é o caso do Brasil). Neste cenário CDBs, títulos, e contas de poupança produzem taxas muito baixas. Isso muitas vezes levam os poupadores para as ações para que no mínimo suas economias superem a inflação.

Uma pesquisa do Dr. Jeremy Siegel e John Bogle, fundador da Vanguard, analisou um período de 196 anos e comparou os retornos reais de ações, títulos e ouro. Eles descobriram que se um investidor tivesse começado em torno do ano 1810 (a Bolsa de Valores de Nova York foi fundada em 1817) e colocou R$10.000,00 em ouro, sua carteira ajustada pela inflação valeria apenas R$26.000,00. O mesmo investimento em títulos teria crescido para R$8 milhões. No entanto, se o investidor tivesse escolhido ações em 1810, ele teria transformado seus R$10.000,00 em R$5,6 bilhões.

Isso reforça que investir em ações no longo prazo é a melhor estratégia se você selecionar um período de tempo mais realista. A maioria dos investidores tem um horizonte de no máximo 30 a 40 anos, não 200 anos.

Exemplo prático!

Vejamos num prazo mais curto. Entre janeiro de 1980 e janeiro de 2010, a taxa média de crescimento anual do S&P500 foi de 8,15%. O Dow Jones apresentou uma média de 8,81% ao longo do mesmo período, enquanto o NASDAQ saltou 9,51% ao ano.

A rentabilidade das obrigações e títulos em média foi inferior a 3% no mesmo período. Neste período a inflação foi de 62,2% sobre esses 30 anos, o que significa que R$1.000,00 em uma conta de poupança em 1980 teriam apenas um valor real de R$378,00 em 2010.

Maneiras de economizar R$100,00 por mês

O primeiro passo para investir R$100,00 por mês é economizar R$100,00. Há muitos passos simples que qualquer pessoa poderia fazer para reduzir seus custos. Isso não requer mudanças de estilo de vida drásticas.

Compras mensais em hypermercados de “Atacadão” para itens básicos em massa é uma boa ideia. As compras em granel custam menos por item. Então faça uma viagem ao Atacadão a cada mês, em vez de três ou quatro viagens ao “mercadinho local”. Se você almoça em casa ou leva a famosa “marmita” ao trabalho, este é provavelmente um ótimo primeiro passo.

Se você precisar de um pouco mais de disciplina para administrar sua conta corrente, configure uma transferência automática mensalmente no dia em que receber seu salário. Isso pode fazê-lo economizar muito mais de R$100,00 por mês, evitando compras desnecessárias.

Se você paga caro na conta de energia, pode economizar no ar condicionado abrindo uma janela ou comprando um pequeno ventilador. O oposto é verdadeiro, no inverno quando você pode fechar suas persianas ou jogar em um suéter para evitar altas contas de energia.

Os trabalhadores mais jovens podem economizar saindo uma ou duas noites a menos por mês. Aqui eles podem economizar pelo menos R$50,00 a R$150,00 por mês. Os usuários de cartão de crédito, por vezes, podem economizar apenas contratando um cartão sem anuidade (Nubank).

Se você não acha que pode economizar R$100,00 por mês, tente monitorar todas as suas compras por um mês. Este é um hábito financeiro saudável que pode ajudá-lo a encontrar poucas economias extras ao limitar os gastos por impulso.

Investir em ações no longo prazo é o caminho certo?

Investir em ações no longo prazo com R$100,00 por mês é sem dúvidas uma ótima estratégia. Principalmente para quem tem visão e disponibilidade do horizonte de tempo. Lembre-se de fazer pequenos sacrifícios todos os dias para adicionar consistentemente R$100,00 em suas ações.

Faça isso todos os meses e tenha o prazer de desfrutar do juro composto.

Ainda está com dúvidas? CLIQUE AQUI e veja se vale a pena investir em ações no longo prazo.


Gostou do nosso artigo? Seja um membro Financials cadastrando seu e-mail ao lado e receba nosso conteúdo exclusivo!


COMPARTILHE no link abaixo o conteúdo Financials nas redes sociais! Ajude outros investidores a saber se investir em ações no longo prazo é um bom investimento!

Flavio Moura

Consultor Financeiro